Inteligência e Testes de QI
     
Entrada Artigos Português Inteligência vem do berço?
Inteligência vem do berço? PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Jorge Quillfeldt   
Quinta, 22 Janeiro 2009 13:38

A Inteligência é um daqueles atributos que, quando exibido por alguém, é evidente para a maioria das pessoas, senão todos. Capacidade de adaptação ao ambiente, capacidade de sobrevivência, capacidade de aprendizagem, capacidade de raciocínio associativo-criativo e/ou pensamento abstrato - são muitas e variadas as definições. Há quem prefira contrastar inteligência com seu oposto, o instinto, o inato, mas isso só realça a importância da capacidade de aprender. Aprender e criar talvez seja o binômio que melhor defina esta qualidade. Todos podem aprender e conhecer, mas sabedoria não é sinônimo de inteligência.

Todos também podem criar, mas alguns saberão fazê-lo melhor que outros. No componente criatividade reside, a meu ver, o que é mais relevante sobre a inteligência, mas nele mesclam-se, de forma indissociável, talentos herdados com habilidades aprendidas, de modo que não me parece possível distingüir qual fator é mais importante. Existe, contudo, um condicionante que não pode ser esquecido, a oportunidade: embora todos sejamos igualmente dotados (biologicamente) para exibir inteligência, a poucos é facultado seu pleno exercício. Os problemas surgem quando a admissão de que os homens possuem diferentes níveis de inteligência é ressaltada sem se levar em conta o histórico das oportunidades. Isso favorece descuidos como o de concluir que tais diferenças são imutáveis, e, pior, deixa caminho livre para que se tome como natural uma distribuição desigual de direitos apenas em função destes desníveis. Definir inteligência, portanto, é um problema, já que há diferentes paradigmas conceituais e - ali inevitavelmente entrincheiradas - diferentes posturas político-ideológicas. Os psicólogos têm evitado elaborar definições muito como reação ao reducionismo psicométrico dos promotores dos testes de QI (este é mais um slogan que um conceito científico). Do racismo colonial europeu ao darwinismo social da Belle Époque, do segregacionismo nazi-fascista e supremacismo anglo-saxão à moderna sociobiologia, tais teorias enquadratórias são recorrentes. A última e arrojada investida foi feita pelo livro "The Bell Curve", amontoado de preconceitos raciais supostamente científicos. Esfriado o entusiasmo inicial, a intelectualidade politicamente correta pariu a teoria-compensação da "Inteligência Emocional", aquilo que os naturalmente menos dotados (negros e latinos segundo seus autores) podem desenvolver para compensar suas limitações... É uma teoria bastante honesta nestes tempos de globalitarismo (neo)liberal.

Que fatores influenciam no desenvolvimento da inteligência de um indivíduo?

Impossível ler esta pergunta sem pensar, "X% de genético, Y% de cultural". Não acredito, contudo, que seja possível medir tais proporções. Sem dúvida que fatores genéticos participam, mas fatores culturais e ambientais (incluindo nutrição, afeto, etc) parecem ser muito mais importantes, até mesmo decisivos. Pode até ser uma interessante questão científica a determinação destes percentuais, mas me preocupam as conseqüências sociais disso: somos uma civilização de números e números modulam nossas expectativas, esperanças e também esforços. Fico pensando nos testes de QI, com sua base "científica" capenga, sendo usados há gerações para "classificar" crianças, pré-determinando oportunidades...

A inteligência de uma pessoa pode ser aperfeiçoada?

Essa resposta depende da posição que cada um adopta. Se inteligência se refere principalmente a aspectos inatos, herdados, então tal melhora é um problema semelhante ao do "melhoramento genético de bovinos". Não preciso conceituar o tipo de pessoa que precisa acreditar nisto... Mais interessante me parece a concepção de que os genes dotaram a espécie Homo sapiens sapiens da capacidade de aprender e criar, e as culturas têm se encarregarado de restringir seu acesso e desenvolvimento. Partindo desta base funcional que todos temos, não importa em que grau, parece-me que tudo nos é possível, inclusive construir ambientes que permitam a maximização destas qualidades, geração após geração, como ocorre em muitas famílias, grupos fechados, e até - dizem - escolas e Universidades. Havendo oportunidades iguais, só o livre-arbítrio da pessoa pode limitar seu próprio crescimento. Neste sentido, "inteligência" é algo que pode ser sempre melhorado. Mas isso não parece ser tarefa de um homem só...



Gostou? Partilhe na sua rede social!
Reddit! Del.icio.us! Mixx! Free and Open Source Software News Google! Live! Facebook! StumbleUpon! TwitThis Joomla Free PHP
 

Traduções...

  • Mensa
  • Contacto
  • Breves
  • Testes
  • Puzzles
  • Vídeos
  • Imagens
  • Áudio
  • Ressalvas
  • Livro de Visitas
  • Arquivo Histórico
  • Estamos no Facebook!